Teoria da inovação disruptiva: revolucione e crie novos mercado

Muitos falam da importância da inovação nos negócios, não apenas com a criação de novos produtos e serviços, mas também com a utilização de novos materiais, recursos energéticos e com a modelagem de novos processos produtivos.

Mas quando se fala da teoria da inovação disruptiva, parece que as pessoas ficam mais empolgadas e curiosas, como se algo genial fosse aparecer diante delas a qualquer momento.

Afinal, do que se trata essa tão aclamada inovação disruptiva?

Para que você descubra os mistérios e segredos por trás desta teoria, fomos buscar uma interessante animação criada pela Harvard Business Review, que apresenta a inovação disruptiva de uma forma clara e divertida de se entender.

Saiba mais: Liderança disruptiva: respeito aos liderados e visão no futuro

Entenda a teoria da inovação disruptiva

A teoria da inovação disruptiva foi criada pelo professor Clay Christensen, e uma de suas mais intrigantes afirmações e que ela é uma das poucas maneiras através da qual uma pequena empresa pode derrotar uma gigante do mercado, em seu próprio terreno.

A ideia é a seguinte: se você já é uma grande empresa, com um grande mercado “aos seus pés”, não vale a pena arriscar tudo isso com inovações mirabolantes. As inovações são meramente incrementais, melhorias em seus produtos e serviços, para tornar seu negócio sustentável ao longo do tempo e atrair clientes que paguem mais caro.

Mas, com o tempo, essas “inovações” quase que cosméticas começam a não surtir mais efeito sobre o mercado. Os consumidores se voltam para o produto ou serviço básico novamente, e mais barato. Isso derruba a lucratividade do “gigante do mercado”.

E quem está produzindo produtos e serviços de baixo custo, nesse momento? Ela mesmo, a pequena empresa!

Mas se ela se mantiver assim, não vai crescer, ela precisa implementar a inovação disruptiva.

Veja também: Inovação disruptiva, mais um exemplo de palavra da moda?

Como implementar a inovação disruptiva?

O pequeno empreendedor começa a melhorar seu produto ou serviço de forma que atraia mais consumidores. Mas nada de “enfeites” meramente incrementais, ele realmente promove melhorias que satisfazem as necessidades de seus clientes.

A animação da HBR mostra o seguinte exemplo clássico:

Pequenas usinas de aço (Steel Mini Mills) produziam inicialmente vergalhões de aço de baixa qualidade. Quando resolveram inovar disruptivamente, passaram a produzir chapas de aço, roubando grande parte do mercado das grandes usinas (Large Mills).

Outro exemplo é o das montadoras asiáticas, como Toyota e Hyundai, que começaram com modelos compactos baratos e depois acrescentaram luxo e criaram marcas glamourosas para seus veículos, batendo as grandes montadoras tradicionais, que tiveram que reagir.

Mas como reagir?

Confira: Inovacão disruptiva: a sacada genial que muda uma era!

Como reagir aos inovadores disruptivos?

Segundo Christensen, essas grandes empresas são muito burocráticas e vagarosas para inovar. Por isso, precisam criar unidades separadas, verdadeiros negócios independentes para competir com a inovação disruptiva.

Assim, com um modelo de negócios diferente e expectativas de lucro menos rígidas, essas unidades independentes devem seguir algumas etapas para serem bem-sucedidas no processo de inovação disruptiva:

  • Responder à pergunta: Que tarefas os clientes precisam que sejam feitas para eles?
  • Segmentar os clientes por tarefas que necessitam, não por renda, região ou qualquer outro critério tradicional.
  • Desenvolver soluções de baixo custo para atender essas necessidades dos clientes.

Assim, a inovação disruptiva cria novas mercados, pois entrega aquilo que os clientes mais precisam na forma de produtos e serviços inovadores que não existiam antes e, portanto, trata-se um mercado novo.

O exemplo citado é o do creme dental de clareamento Crest Whitestrips, que atendia a necessidade de clarear os dentes dos clientes sem que eles tivessem que pagar por tratamentos caríssimos para seus dentistas.

Essa inovação disruptiva não veio de uma pequeno competidor, mas de uma das líderes mundiais em produtos de higiene pessoal, a Procter & Gamble.

Confira também: Modelos de negócios disruptivos: a fórmula revelada

Confira o filme da HBR, em inglês, na íntegra:

https://hbr.org/video/2688242135001/the-explainer-disruptive-innovation

Você sabia que é possível estimular a inovação disruptiva durante o gerenciamento dos seus processos de negócio?

Neste caso é importante publicar adequadamente os processos e permitir que todos os envolvidos enviem feedback.

Veja no vídeo abaixo como fazer isto utilizando o portal de colaboração em melhorias do HEFLO BPM. Não deixe de criar sua conta para modelar e documentar processos!

Portal de Colaboração - Melhoria em Processos BPM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu