Tudo sobre a cadeia de valor de Porter e como ele faz sua empresa mais lucrativa

Se você está lendo este post, é certo que tem um computador diante de você, ou um dispositivo móvel, como um tablet ou smartphone.

Evidentemente, esse aparelho tem uma marca.

E, com certeza, por algum motivo você escolheu esse modelo específico de computador (vamos ficar só nos computadores, ok?), dessa determinada marca.

Você pesou os prós e os contras, as características, as vantagens e os benefícios e tomou uma decisão de compra. No final, se resolveu por esse produto.

Você notou que ele atendia às suas necessidades, resolvia um problema que você queria solucionar.

Em outras palavras: você enxergou um valor nesse produto, viu nele algo de valioso. Valioso o suficiente para pagar a quantia monetária pedida em troca desse computador. Isto é: o preço era justo em relação ao valor que você percebeu no computador.

Mas você já pensou em toda jornada que os componentes e matérias primas que constituem esse produto fizeram até chegar em suas mãos?

A cadeia de valor

Pense bem: cada filamento de cobre presente em algum componente de seu computador “nasceu”, provavelmente, como uma pedra de minério bruto em uma mina do Chile. E deve ter dado algumas voltas ao mundo, passando por diversos processos de transporte, beneficiamento, produção e montagem, trafegando por uma meia dúzia de países, antes de chegar às suas mãos!

E quantos componentes têm esse computador? E cada um deles passou por jornadas semelhantes!

No final, esse conjunto de processos culminaram na montagem da máquina que você tem diante de você. Pensando dessa maneira, chega a ser difícil de acreditar que tenha custado apenas o valor que você pagou por ela.

É é exatamente essa magia realizada por todas as empresas envolvidas nesse processo – para conseguir entregar mais valor, com o menor custo e sem perder a qualidade desejada pelo cliente – que se chama cadeia de valor.

A soma da cadeia de valor de cada empresa (da mineradora àquela que monta todas as peças e entrega o computador para você) se chama sistema de valor.

Tudo isso foi idealizado por um professor de Harvard, chamado Michael E. Porter. Por isso, a cadeia de valor também é chamada de cadeia de valor de Porter.

Neste post, você vai entender em detalhes o que é a cadeia de valor de Porter, exemplos de cadeia de valor de uma empresa e como fazer a gestão de processos usando a cadeia de valor.

Leia também em nosso blog: Organização por processos: a melhor forma de gerar valor para o cliente e para o negócio!

O que é a cadeia de valor de Porter, afinal?

Toda empresa realiza uma série de atividades. O conjunto dessas atividades desempenhadas com o objetivo de gerar valor para seus clientes chama-se cadeia de valor de Porter.

Ficou claro o que é cadeia de valor e seu conceito?

Vamos a um exemplo de cadeia de valor, então:

Imagine uma empresa que produz lápis de grafite para escrever. Ela recebe de seus fornecedores (vamos simplificar a história) tábuas de madeira, grafite beneficiado em blocos e tintas.

Depois de passar essas matérias primas por uma série de processos, ela entrega um lápis para o consumidor.

Se esse consumidor recebesse a madeira, o grafite e as tintas suficientes para fazer esse mesmo lápis, não veria nenhum valor nisso

Mas essa empresa soube criar uma cadeia de valor (uma sequência de atividades) para transformar essas entradas (madeira, grafite e tinta) em uma saída valiosa para o consumidor (o lápis). Algo útil e que atende a uma necessidade ou resolve um problema dele.

Para isso, foram usados diversos processos. Tanto diretamente ligados à confecção do lápis (como transformar às tábuas de madeira em pequenos cilindros e as peças de grafite em bastonetes), como outras, de apoio, por exemplo: a gestão do negócio, o planejamento, gerenciamento dos recursos humanos, pesquisa etc.

Exemplo de cadeia de valor

Veja um exemplo de cadeia de valor e seus processos, divididos em atividades primárias (diretamente ligadas à produção) e atividades de apoio.

cadeia de valor

Fonte: Portal GPP

 

Você notou que no lado direito do esquema de cadeia de valor existe uma seta de saída com a palavra margens?

Esse é a margem de lucro do negócio.

Entenda:

  • A cadeia de valor gera custos (atividades primárias) e despesas (atividades de apoio).
  • Gera também valor para o cliente final.

Se esse valor gerado for suficiente para o consumidor ou cliente pagar um montante monetário superior aos custos e despesas da cadeia de valor, a empresa terá lucro.

Daí a importância de se saber fazer a gestão da cadeia de valor para que ela tenha os menores custos e despesas e, ao mesmo tempo, gere o máximo valor para o cliente.

Para entender como fazer isso, você precisa conhecer outro conceito criado por Porter: as 3 estratégias competitivas empresariais genéricas .

As 3 estratégias competitivas genéricas de Porter

Para gerar valor para o cliente, Porter definiu 3 estratégias empresariais competitivas que chamou de genéricas: a diferenciação, a liderança em custos e a estratégia de foco ou nicho.

Estratégia de diferenciação

A empresa procura satisfazer uma necessidade altamente valorizada por seus clientes de forma superior aos concorrentes. Ela procura ser a melhor supridora dessa necessidade para o mercado. Assim, se diferencia da concorrência e pode cobrar um preço premium pelo alto valor entregue aos clientes. Porém, tende a ter altos custos.

Liderança em custos

Essa estratégia competitiva é usada por empresas que contam com alguma vantagem competitiva em seus processos produtivos que lhes permite ter custos menores. Dessa forma, pode vender mais barato. No entanto, é muito difícil se diferenciar da concorrência e produzir com qualidade praticando o foco em custos. Por isso, seus produtos não são diferenciados e suas margens costumam ser baixas.

Foco

A estratégia competitiva de foco foge dos altos custos da estratégia de diferenciação e das baixas margens da estratégia de lideranças em custos buscando uma parcela restrita do mercado, um nicho que possa atender de forma especializada, com custos razoáveis e qualidade sob medida.

Confira esta matriz que resume as 3 estratégias genéricas de porter:

cadeia de valor de Porter

Portanto, se você souber como fazer a gestão de processos de sua cadeia de valor adequadamente, tanto poderá encontrar maneiras de diminuir seus custos – com processos mais eficientes – como de produzir com mais qualidade, para diferenciar-se no mercado.

Análise da cadeia de valor e a melhoria contínua

Digamos que sua empresa decidiu ser líder em custos de seu segmento.

Para isso, ela pode usar técnicas de BPM, fazer a análise da cadeia de valor e descobrir quais são os processos-chave de seu negócio que precisam ter custos reduzidos.

Por exemplo: para um varejista, o processo de compras é fundamental. Se ele não conseguir adquirir mercadorias por bons preços, dificilmente conseguirá vender com boas margens ou preços competitivos.

Nesse caso, ele precisa analisar esse processo de negócio em busca de gargalos, desperdícios, atrasos ou handoffs mal realizados (quando há troca de responsabilidades durante o fluxo de tarefas e as informações não fluem adequadamente para que tudo prossiga como planejado).

Confira um processo de solicitação de compra que foi desenhado seguindo as técnicas de BPM para atingir a máxima eficiência:

cadeia de valor de Porter

Como funciona a melhoria contínua para reduzir custos e entregar qualidade?

A própria melhoria contínua é um processo do negócio. Assim, por meio da análise da cadeia de valor, descobrem-se quais processos têm mais potencial de diminuir custos ou de gerar mais satisfação para o cliente se forem melhorados.

Para achar as oportunidades de melhoria de cada processo, isto é: gargalos, atrasos, desperdícios, falhas de comunicação e de integração entre as tarefas, por exemplo; é preciso fazer o chamado mapeamento do processo.

Saiba mais: O que é mapeamento de processos BPM? Confira as 7 fases de um projeto

Deve-se coletar todos os documentos relativos ao processo, como formulários, manuais, checklists etc. e entrevistar-se todos àqueles que lidam diretamente com ele, a fim de se desenhar um diagrama do fluxo das atividades do processo como ele é hoje.

Em seguida, mais uma vez com a ajuda dos envolvidos no processo, buscam-se maneiras de torná-lo mais e ágil e eficiente.

Encontradas essas melhorias, o processo que se deseja implantar (melhorado e otimizado) é desenhado em um diagrama para que fique claro para todos.

Em seguida, por meio da automatização do processo, isto é, da coleta dos dados de performance do processo de forma automática, verifica-se se as melhorias implantadas realmente estão surtindo o efeito desejado (diminuição de custos e/ou aumento da qualidade).

Em caso positivo, as mudanças são mantidas. Aquelas que parecem não funcionar como planejado, são alvo de um novo processo de melhoria. Daí o nome melhoria contínua, pois ela nunca deve parar de ser realizada.

Esse trabalho de melhoria de processos para torná-los mais fluídos e eficientes também é conhecido como streamline workflow.

Veja um diagrama resumido de como realizá-lo:

cadeia de valor de Porter

Saiba mais em nosso blog: Confira o diagrama para melhoria contínua de processos

Alguns exemplos de melhoria de processos na cadeia de valor

Selecionamos 4 exemplos de processos da cadeia de valor de uma empresa que foram melhorados com o objetivo ou de diminuir custos, ou de entregar mais qualidade para o cliente.

Para que os exemplos fiquem bem abrangentes, escolhemos diagramas de processos referentes a atividades de apoio e a atividades primárias. E, para cada uma dessas, selecionamos exemplos de melhorias que visam a diminuição de custos (ou despesas), ou a melhoria do processo em busca de qualidade.

São 4 exemplos, portanto.

1- Melhoria da qualidade de uma atividade de apoio: recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção é uma típica atividade de apoio às atividades primárias, que geram valor percebido de forma direta ao cliente.

Mas isso não significa que atividades de apoio não possam ajudar a entregar valor ao cliente ou ao consumidor. E esse é o caso de um processo de recrutamento e seleção.

Afinal, quanto melhores forem os colaboradores da empresa, melhor desempenharão suas tarefas e, assim, ajudarão as atividades primárias a serem realizadas com mais excelência (e menor custo também).

Um bom processo de seleção é vital para uma empresa que quer trabalhar com eficiência operacional e alta qualidade.

Confira um diagrama de processo de recrutamento e seleção de colaboradores:

cadeia de valor

Outros processos de Recursos Humanos que podem auxiliar na melhoria da qualidade da empresa são integração de novos funcionários e treinamento, por exemplo.

Veja mais: Entenda a importância do mapeamento de processos de RH e como realizá-lo passo a passo

Diminuição de despesas em uma atividade de apoio: reembolso de despesas

Atividades de apoio, que não estão ligadas diretamente à produção, geram despesas para o negócio.

Evidentemente, se você puder diminuir essas despesas com um processo mais eficiente, sua cadeia de valor se beneficiará disso.

O processo interno responsável por reembolsar despesas com viagens, almoços e outras atividades típicas de vendedores ou outros colaboradores que se deslocam a trabalho por qualquer motivo, é um bom exemplo.

Assim, se for realizada com mais eficiência, trará menos gastos para a empresa.

Dê uma olhada em um diagrama de reembolso de despesas modelado pelo HEFLO (como os demais apresntados aqui) usando a notacão BPMN:

cadeia de valor de PorterVocê pode ter acesso gratuitamente a diagramas de processo prontos para usar e adaptar como quiser em nossa biblioteca de processos.

Cadastre-se gratuitamente aqui: CRIAR CONTA

Melhoria da qualidade de uma atividade primária: consultoria

Em uma empresa de consultoria, o principal processo primário da cadeia de valor é a própria prestação do serviço de consultoria.

Para melhorar a qualidade da entrega do trabalho oferecido, ele precisa ser modelado e automatizado, seguindo os passos da melhoria contínua que apresentamos acima.

Veja um exemplo de diagrama de processo de melhoria contínua já otimizado pelo HEFLO:

cadeia de valor

Acesse esse diagrama totalmente editável se cadastrando em nossa biblioteca de processos: Processo de Consultoria

Diminuição de custos de uma atividade primária: help desk

Talvez alguns imaginem que help desk seja uma atividade de apoio. Na verdade, atividades relacionadas diretamente com a satisfação dos clientes são primárias, como as atividades de marketing, de vendas e de pós-vendas, que é o caso do help desk.

Um help desk ágil, que usa menos tempo em cada chamada para atender os clientes com qualidade, pode diminuir significativamente alguns custos para a empresa.

Veja um diagrama de processo de help desk otimizado:

cadeia de valor

Leia mais: O que é help desk? Como melhorar esse processo?

Conclusão: cadeia de valor e melhoria de processos trabalham lado a lado

Para fazer a estratégia competitiva da empresa funcionar, seja ela de liderança em custos, diferenciação ou nicho, é preciso que a cadeia de valor do negócio seja modelada da melhor forma para auxiliar no atingimento desses objetivos.

Para isso, alguns processos-chave da cadeia de valor são escolhidos para serem melhorados e otimizados com ajuda de técnicas de BPM, como a melhoria contínua.

Esse trabalho de otimização diminuirá custos e/ou trará mais qualidade ao produto ou serviço final. E essas são as duas formas de entregar mais valor percebido ao cliente, conforme a estratégia competitiva escolhida.

Assim, com menores custos e mais qualidade (valor percebido pelo cliente), a margem da cadeia de valor aumenta. Isso permite que a estratégia escolhida seja vitoriosa e leve a empresa a superar seus concorrentes no mercado.

Além da cadeia de valor e das estratégias competitivas genéricas, Porter também criou mais uma ferramenta importante para a gestão empresarial: a análise das 5 forças competitivas, ou as chamadas 5 forças de Porter.

Para que tudo isso fique mais claro para você, criamos estes infográfico com essas 3 importantes contribuições de Porte para a gestão empresarial em uma única imagem, aproveite:

cadeia de valor de Porter

 

Leia também: Análise competitiva de mercado: entenda o modelo de forças de Porter e suas 5 variáveis

Agora que você viu, responda sinceramente:

Na sua organização os modelos de processos são definidos em função da cadeia de valor?

4 Comentários. Deixe novo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu