Desvendando os segredos da agilidade organizacional

Transformação organizacional, clima organizacional, política organizacional e agora o mais novo deles: agilidade organizacional!

Antes que citem em uma reunião e você não saiba do que se trata, aprenda agora mesmo!

O que é agilidade organizacional?

Vivemos em uma época em que tudo muda com muita rapidez.

Mas como se reciclar de modo contínuo e prosperar em um ambiente que exige constantes mudanças?

A agilidade organizacional é a capacidade de uma organização se renovar, se adaptar, mudar rapidamente e ter sucesso em um ambiente mutável, incerto e turbulento.

Para acontecer, a agilidade empresarial precisa de: dinamismo e estabilidade.

  • Dinamismo: Um ambiente dinâmico é feito de atitude, agilidade, capacidade de resposta, proatividade e intensidade.
  • Estabilidade: A agilidade está diretamente ligada à estabilidade, até porque a agilidade organizacional requer estabilidade para a maioria das empresas.

É importante ter um ponto sólido, enquanto o resto da empresa se modifica.

Nesta postagem, você vai conhecer mais detalhes sobre como tornar sua empresa ágil e se valer deste novo conceito de forma prática.

Veja também em nosso blog: Onde se apoiar e que agentes usar para a transformação digital

O que queremos dizer com agilidade organizacional?

Todo dia é uma superação, não é mesmo?

Somos ensinados a ser fortes, impulsionados a avançar na vida e a abraçar a esperança de dias melhores, mesmo com todos os contratempos que ela nos reserva.

Agora, imagina essa situação sob uma visão empresarial?

O conceito de agilidade organizacional acontece quando prosperamos diante das adversidades que acontecem.

E, mesmo pressionados, nos fortalecemos e prosseguimos ainda mais competitivos e cheios de energia.

A agilidade empresarial se mostra cada vez mais importante para as organizações, principalmente nos níveis atuais de incerteza, ambiguidade, volatilidade e globalização em que vivemos.

Ser ágil, responder rapidamente às mudanças e, ainda se beneficiar disso, passou a ser determinante para a sobrevivência das empresas no mundo corporativo.

O desafio de se tornar ágil

No mundo do trabalho, empresas já consolidadas no mercado lutam para se tornar mais dinâmicas.

Geralmente, essas empresas têm mais dificuldades porque possuem uma hierarquia gerencial centralizada e estabelecida há anos.

Por isso, não veem necessidade de mudança na rotina, por causa dos bons resultados, mas é aí que se enganam.

Já os colaboradores querem colocar em prática a agilidade empresarial, ter voz ativa e autonomia para dar opiniões e tomar decisões.

Os funcionários querem se engajar nesse processo.

Para isso, é preciso encontrar um equilíbrio entre dinamismo x estabilidade.

O processo não vai funcionar se a empresa, sem cautela, se mover rapidamente e se afastar da estabilidade.

E, da mesma forma, se ela continuar engessada, lenta e burocrática, perdendo completamente o entrosamento com as mudanças que acontecem à sua volta.

O desafio de se tornar ágil leva em conta alguns princípios:

  1. Configurar a empresa de uma maneira que ela reconheça sua estabilidade e capacidade dinâmica, incluindo sugestões e observações.
  2. Configurar a empresa, de forma dinâmica e estável, em três dimensões: estrutura, processo e pessoas.
    1. A estrutura não é apenas pensar em um organograma, ela também inclui governança.
    2. O processo é o desenvolvimento de métricas e objetivos com identificação das principais atividades e valores agregados, que abre espaço para uma série de questionamentos relevantes sobre os procedimentos internos e externos.
    3. As pessoas devem ser analisadas também a partir do dinamismo x estabilidade. O que é estável e o que é dinâmico quando se trata de pessoas? Atribuir novas funções às pessoas  – usando trabalho flexível ou trabalho temporário – pode funcionar como algo dinâmico.

Algo estável, geralmente, é a cultura da organização. Construir uma cultura saudável demanda muito tempo e reflexão.

Assim, demora-se mais para descobrir ou reconhecer competências e capacidades que fariam a diferença na questão da vantagem competitiva.

Quando cultura e pessoas se comunicam perfeitamente em uma empresa, é altamente recomendável estudar o caso e se inspirar nele de alguma forma, porque ali existe algo absolutamente valioso.

Confira também: Inovação Descontínua: mude radicalmente a maneira de pensar (e lucrar)  

Os segredos do sucesso da agilidade organizacional

Existem três domínios no modelo operacional que nos ajudarão a chegar até ela.

São eles:

1- Processo

Se o negócio é mutável e dinâmico, seus processos precisam acompanhar este ritmo.

Em um mundo ágil os processos devem ser simples o suficiente para permitir flexibilidade e facilidade de melhoria.

Não podemos mais nos submeter a processos longos, criados com o objetivo de atingir a perfeição. Além de ágil o mundo tem se tornado cada vez mais minimalista. Lembre-se do iPhone com apenas 1 botão!

Precisamos entregar para as pessoas rotinas claras e de fácil entendimento. Não podemos esperar que elas sejam experts em processos para conseguir executar suas tarefas com qualidade.

Mas cuidado com a palavra “Flexibilidade”!

“Flexibilidade” não significa que o processo deve ser totalmente permissivo. Sempre existirão restrições, regras e compliance que devem ser atendidas. Por exemplo:

  • Uma compra não pode ser enviada para aprovação sem que antes existam no mínimo 3 orçamentos.
  • Uma compra acima de 50 mil deve necessariamente ser aprovada por um diretor.

Um processo ágil deve garantir um mínimo de controle.

Um último pensamento:

O processo deve ser ágil ou o desenvolvimento do processo deve ser ágil?

Para uma pessoa que mantém processos a resposta mais natural é a de que o seu trabalho deve ser ágil, mas o fato é que o seu cliente é o grande demandante de agilidade. Então o foco deve estar na agilidade oferecida pelo processo e nos métodos utilizados para desenvolver ou gerenciar os processos.

2- Estrutura

Normalmente, as empresas ágeis não mudam muito a principal maneira de se estruturar.

Elas tendem a manter os pontos principais de sua estrutura de organização bem definidos, extraindo dos funcionários o que eles fazem de melhor em suas funções.

Além disso, elas fornecem mecanismos que possibilitam uma rápida e adequada formação de equipe, que detém talento necessário para encarar os novos desafios e projetos.

3- Governança

Uma boa e responsável governança é capaz de aprimorar a tomada de decisões, além de ser decisiva para a longevidade da empresa.

A estabilidade contribui para dar dinamismo à tomada de decisões, porém de forma coerente e cuidadosa.

Deixar claro para as pessoas que elas podem dar suas opiniões e tomar decisões, deve ser um elemento estável do modelo operacional de uma empresa ágil.

Você conhecia o conceito de agilidade organizacional? Você considera sua empresa ágil?

Você acredita que sem agilidade uma empresa pode prosperar?

Deixe sua opinião nos comentários, ela é muito valiosa para nós!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu